Comemoração do Aniversário do Escritor Alexandre Herculano


Aniversário do Escritor Alexandre Herculano

Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo nasceu em Lisboa, no dia 28 de março de 1810, e morreu na Quinta de Vale de Lobos, Azóia de Baixo, Santarém, em 18 de setembro de 1877. Foi um escritor romancista, historiador, jornalista, poeta e ensaísta português.

Nascido numa família modesta, estudou Humanidades na Congregação do Oratório, onde se iniciou também na leitura meditada da Bíblia, o que viria a marcar a sua mundividência. Impedido por dificuldades económicas e familiares de frequentar a Universidade, preparou-se para ingressar no funcionalismo, frequentando um curso prático de Comércio e estudando Diplomática na Torre do Tombo, onde aprendeu os rudimentos da investigação histórica.


Por esta altura, com 18 anos, já se manifestava a sua vocação literária: aprendeu o francês e o alemão, fez leituras de românticos estrangeiros e iniciou-se nas tertúlias literárias da Marquesa de Alorna, que viria a reconhecer como uma das suas mentoras.

Em 1831, envolvido numa conspiração contra o regime miguelista, foi obrigado a exilar-se, primeiro em Inglaterra (Plymouth) e depois em França (Rennes). No exílio, aperfeiçoou o estudo da história, e leu os que viriam a ser os seus modelos literários: Chateaubriand, Lamennais, Klopstock e Walter Scott.

A sua obra, em toda a extensão e diversidade, ostenta uma profunda coerência, obedecendo a um programa romântico-liberal que norteou, não apenas o seu trabalho, mas também a sua vida.

Em 1832, foi nomeado segundo-bibliotecário e encarregue de organizar os arquivos da biblioteca. Entre 1834 e 1835, publicou alguns artigos para revistas.

Em 1867, desgostoso com a morte precoce de D. Pedro V, rei em quem depositava muitas esperanças, e desiludido com a vida pública, retirou-se para a sua quinta em Vale de Lobos (comprada com o produto da venda das suas obras), onde se dedicaria quase exclusivamente à vida rural, casando com D.ª Maria Hermínia Meira, sua namorada da juventude.

Faleceu de pneumonia aos 67 anos no dia 18 de Setembro de 1877, em Santarém. A sua morte originou manifestações nacionais de luto.

Das suas muitas obras destacamos: